Skip to content

Democracia de araque

10 abril, 2008

Ontem o Consema (Conselho Estadual do Meio Ambiente) vetou a proposta de Zoneamento Ambiental para o Estado tal como ela tinha sido concebida, que regulamentaria as plantações de árvores exóticas, que prejudicam o ecossistema. Pinus, acácias e eucaliptos já vêm sendo plantados no Estado por Aracruz, Stora Enso e Votorantin, muitas vezes de forma irregular. Mais de seis horas depois do início da reunião e sai o veredicto, já sabido desde o princípio. Uma liminar tinha impedido a votação ontem, mas o Consema ficou reunido até que ela fosse suspensa e pudessem definir o caso. Por isso a demora.

Participam do Consema órgãos do governo, federações de empresários e de agricultores e ONG’s. Os ambientalistas são minoria, e se retiraram da reunião antes que a votação acontecesse, em sinal de protesto. Sabiam que não teriam chance, de qualquer forma. Os técnicos do governo responsáveis pelo projeto do Zoneamento foram proibidos pelo governo de participar da reunião. Proibidos! Eles, diga-se de passagem, já tinham cedido em vários pontos para que houvesse a aprovação de um meio termo, não o ideal, mas menos prejudicial ao meio ambiente.

O que aconteceu lá foi um teatro. Convoca-se empresários e governo – já comprometido com os empresários – e meia dúzia de ambientalistas. Segundo Flávio Lewgoy, presidente da Agapan (Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural) – o responsável pela liminar -, cria-se uma falsa democracia, pois quem decide, invariavelmente, é o Estado. Aparentemente, os órgãos de defesa do meio ambiente participam, mas não têm nenhum poder de decisão.

Que tipo de governo é esse em que o secretário de Meio Ambiente, Carlos Otaviano Brenner de Moraes, faz tudo para favorecer as empresas, passando por cima, justamente, do meio ambiente? Em que a principal tarefa da presidente da Fundação Estadual de PROTEÇÃO ao Meio Ambiente, Ana Pellini – autoritária, ela ameaça os funcionários que não colaboram -, é facilitar os licenciamentos para as empresas de celulose? Em que o governo proíbe a participação de seus técnicos na reunião de votação de seu próprio projeto?

Democracia? Onde?

Muita coisa já aconteceu por baixo dos panos. Na Zero Hora, como na grande imprensa, a história vira um conto de fadas, em que o governo agora facilita o desenvolvimento do Estado e todos ficam felizes. Se alguém quiser mais informações, posso conseguir algumas coisas. A história é longa.

Anúncios
3 Comentários leave one →
  1. 11 abril, 2008 00:09

    Acho que vale uma série de posts sobre o assunto. Tu tem muita informação a respeito, e tem quase o dever de compartilhar. Já que ninguém informa verdadeiramente a grande massa, informe tu algumas cabeças pensantes, ao menos.
    Acho que o Interpretando podia começar a acompanhar mais de perto toda essa discussão, claro que entremeando com outros assuntos, se não vira um blog de ambiente.
    E ufa que na TVCom o NÃO para o plantio de dinheiro que mata ganhou na interativa. Ainda se pensa por aqui.

  2. Paula permalink
    11 abril, 2008 12:22

    Baita palhaçada! A segunda parte da reunião “pública”, depois que caiu a liminar do Inga, foi a portas fechadas. Os ambientalistas não puderam nem entrar pra protestar.

  3. Isma permalink
    11 abril, 2008 20:45

    Sério.
    Tu daria uma baita colunista. Opiniões fortes, bem fundamentadas num texto puta bem escrito. (Invejinha…)

    Mas não aqui, né? Porque com essa midiazinha…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: