Skip to content

MST e a demagogia da classe média

8 outubro, 2009

vendaNão vou nem falar da cobertura da imprensa (o Jornal da Globo acabou de falar em “rastro de destruição”). Vou apenas comentar rapidamente os fatos.

O MST está sendo muito criticado – muito mesmo – por destruir uma parte de uma plantação de laranjas. Aquela velha história de destruir comida não ser legal e tal. Pois bem, vale pensar pra onde iam as laranjas e de quem eram as laranjas.

A empresa Sucocítrico Cutrale é uma das maiores produtoras de suco de laranja do mundo. Provavelmente, as laranjas seriam esprimidas por máquinas que não ganham salário, embaladas em plásticos nada biodegradáveis e vendidas, com lucros bem gordinhos, em supermercados que exploram mão-de-obra que fazem com que os poucos donos ganhem muito dinheiro. E seriam comprados pelos que têm dinheiro para tomar suco de laranja, geralmente mais caro. Os que têm fome, aquele menino da rua que deixou de tomar suco porque o MST destruiu os laranjais, estaria ainda na rua, pedindo uma moeda pro cara que sai do super tomando seu suco. Os lucros? Da Cutrale, claro. Que é parte desse sistema que incentiva as grandes empresas, de preferência multinacionais, e os latifúndios, que tiram a terra de quem não tem para uns poucos lucrarem muito.

Dá pra notar toda a relação da coisa? É o sistema capitalista, de acumulação do capital e blá blá blá. A mim me parece muito mais interessante lutar contra as multinacionais que usariam a laranja dessa forma – e que provavelmente põem muitas e muitas laranjas fora diariamente – do que ficar demagogicamente defendendo que comida não se destrói etc. Fora que a própria Cutrale disse que o MST destruiu 7 mil pés em uma fazenda que tem 1 milhão de pés. Ou seja, nada.

Insisto, criticar o MST por “destruir comida” é demagogia. Arrisco a dizer que é demagogia da classe média, incentivada pela elite, os donos de cutrales por aí. As pessoas não passam fome por falta de laranjas. Pelo contrário, se produz no mundo muito mais do que seria necessário para suprir toda a necessidade de comida. Vale muito mais lutar contra as multinacionais e os latifúndios, esses sim co-responsáveis pela fome, pela desigualdade,concentração de renda…

Anúncios
8 Comentários leave one →
  1. 8 outubro, 2009 01:08

    Péssimo cara, o mst faz tempo que deixou de ser um movimento social para se tornar um movimento politico, uma mera massa de manobra da pseudo-esquerda brasileira, e classe média, alta ou baixa sabe que destruir comida é sim errado (o desperdício dessa comida é outro assunto, que também é errado mas cabe em outra discusão…).

  2. 8 outubro, 2009 01:13

    Mais uma coisa continuando o comentário anterior, essa história de querer se opor as grandes empresas é puro idealismo fajuto, sonho de fracasado mesmo, não podemos ser ingênuos de pensar que destruir meia-duzia de laranjeiras vai abalar uma grande empresa. É muito mais válido encontrar formas de gradativamente ir fazendo com que essas empresas assumam uma postura mais adequada socialmente. A história prova que mudanças bruscas nunca ocorreram sempre que se tentou implementa-las elas fracassarm e só mais tarde gradualmente acabaram por se estabelecer, é da natureza humana evoluir lentamente. E vamos combinar que esse papinho de que o capitalismo é o bicho-papão já cansou né.

    • 8 outubro, 2009 01:18

      É evidente q não abala a grande empresa, afinal, ela é grande, gigante. O que o MST fez foi um ato de protesto, político, não para destruir a empresa, mas para chamar a atenção para o latifúndio, para a concentração de renda. E isso é uma transformação gradual. Tanto que o MST tem quase 30 anos de luta. Mudança brusca seria tomar o governo e proibir a Cutrale de plantar ali. Mas não fazer nada e esperar não faz as coisas mudarem gradualmente, faz elas estagnarem.

  3. 8 outubro, 2009 01:21

    Te dou mais dois anos pro mst começar a fazer sequestros…
    e uns quatro pra vender drogas…
    nuns 10 já vai virar o pcc…

    falo issom com um poco de senso de homor(negro), afinal sei que tem pessoas realmente interesadas em mudanças dentro do mst, mas acho que já fazem uns bons anos que ele se perdeu pelo caminho…

  4. Alexandre Brandão permalink
    8 outubro, 2009 01:30

    Acredito que esse texto defenda uma posição centrada no comentário da destruição de alimentos (laranjas) pelos integrantes do MST.
    Fazendo essa analise isolada do problema, vejo colocações de defesa, por parte da autora, em relação as ações do grupo MST com a destruição do patrimônio (pés de laranja).
    Chamar de “demagogia” , é minimizar ou abafar a pratica do crime de destruição de patrimonio privado, que é muito defendido pelas leis do nosso pais, na citação de varios artigos, como crime.
    Esse fato, não pode ficar impune, pois temos, como sociedade civil organizada o dever e o direito de respeitar e fazer cumprir as nossas leis.
    Caso exista o desejo, proposto pela autora de luta contra as multinacionais, esse não é o melhor caminho.
    Acredito que o melhor caminho é não comprar os produtos que são poduzidos por essas empresa.
    Mas jamais destruir um pé de laranja da fazenda de qualquer empresa ou de qualquer pessoa.

    • 8 outubro, 2009 10:50

      Olha, tem diversas pessoas que eu conheço q não compram produtos de multinacionais (o q é mto difícil, pq praticamente tudo o q a gente precisa é produzido em massa pelas multinacionais, a preços baixos, o q dificulta a manutenção de produções alternativas). Essa atitude, por mais louvável q seja, não faz nem cosquinha no problema. Nunca vi uma matéria sobre pessoas q não compram Nestlé. É preciso um trabalho de formiguinha, no dia-a-dia, mas também ações que chamem a atenção para o problema. Senão é impossível de resolver, ainda mais com o apoio da mídia, com a visão estadunidense que vigora no Brasil, com o incentivo ao consumo, que fazem com q a parcela de pessoas q boicotam esses produtos seja absurdamente ínfima.

  5. 9 outubro, 2009 15:43

    Acho que o foco não é nem a questõ da da demagogia, mas da falta de cobertura do outro lado. Essa fazenda onde a Cutrale planta as suas queridas laranjas foi grilada da União. Quem é que diz isso? Quanto a destruição das laranjas, vi diversas declarações d eintegrantes do movimetno dizendo que não fizeram nada. Teorias conspiratórias a parte, não me parece impossível que a própria empresa tenha destruído meia dúzia de pés de laranja pra desviar o foco de que está em território ilegal e colocar a culpa no MST.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: